domingo, 3 de outubro de 2010

Aguardo, não sei por quanto tempo


Não vou além de onde estou,
seria esbarrar em muitos princípios
próprios
que eu tenho e não abro mão.

Porém, apenas duas palavras
Profetizadas pela tua boca
Disparadas em ressonância
Mudariam o rumo da minha história. E da tua.

Entendo o quão é difícil encerrar o que tens agora
E como seria complicado tocar
Algo novo. Neste contexto.
Mas a vida é uma caixa de surpresas
e eu não tenho coragem de fechar portas para belas oportunidades.

Com essas duas palavras
ditas no linguajar da novidade
como aposta em diversão, igualdade
aposto para tua fragilidade
Eu não pensaria duas vezes em acatar.

Me atiraria de alma
Levaria meus medos
Curaria tuas chagas.

Ainda aguardo essas palavras
ditas pessoalmente, na sala da minha casa
com ímpeto de completude.
Te espero, sentado no sofá
olhando pra janela
e me dá arrepios pensar em como seria ouvir de ti:

- ESTOU LIVRE.

3 comentários:

Anônimo disse...

Nenhum elogio seria suficiente para este poema! só fico feliz de pode apreciar o teu trabalho.
continue escrevendo, pois amo poder ler o que escreves, mesmo você não sabendo.
bjos renan

Josiel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Josiel disse...

Uau, tão belo, tão profundo e tão direto.

Tens o dom das palavras!
=D